cameam realiza Colóquio Nacional de Análise do Discurso (CNAD)

A programação completa do Colóquio Nacional de Análise do Discurso (CNAD) já está disponível no blog (http://icnad.blogspot.com.br/) do evento. Na programação constam, dentre outras coisas, as mesas-redondas, GTs, minicursos, atividades culturais e os lançamentos de livros. 

O CNAD será realizado nos dias 23 e 24 de julho de 2014 no Campus da UERN na cidade de Pau dos Ferros-RN. O CNAD conta com grandes nomes da Análise do Discurso e das discussões na área de Letras/Linguística do Brasil. 

No dia 23/07, às 19h00, no auditório do CAMEAM-UERN, em Pau dos Ferros-RN, será realizada a abertura oficial do Colóquio Nacional de Análise do Discurso (CNAD).
 
A conferência de abertura será ministrada pelo Pró-Reitor de Cultura e Relações Comunitárias da PUC-SP, o Prof. Dr. Jarbas Vargas Nascimento, e terá como título “Perspectivas da Análise do Discurso para o ensino de Português”.
 
Ressalta-se que o Dr. Jarbas Vargas Nascimento (PUC-SP) é um dos maiores pesquisadores brasileiros em Análise do Discurso (AD).

Todos(as) estão convidados para participar do evento. 

zé agripino subiu outro coqueiro...

O grupo do ex-prefeito de Currais Novos, Geraldo Gomes, e do seu filho candidato a deputado estadual, Carlson Gomes, ambos do DEM, anunciou apoio ao nome de Henrique Alves (PMDB) para governador do Rio Grande do Norte. O entendimento foi intermediado pelo senador José Agripino, presidente nacional do DEM, e pelo seu filho também democrata, o deputado federal Felipe Maia, candidato à reeleição.

De acordo com Carlson Gomes, o apoio é fruto da percepção de que a candidatura de Henrique é a melhor para o Rio Grande do Norte neste momento. “Sou de Currais Novos e preciso pensar no que é melhor para o meu Estado e para a minha cidade. O nome de Henrique, por conta da sua capacidade e conhecimento em Brasília, é o melhor”, disse.

Carlson também destacou a luta de Henrique para levar a adutora de engate rápido para Currais Novos. A cidade, e também Acari, vive uma grave crise no abastecimento e pode ficar sem água até dezembro, caso uma nova fonte não seja encontrada. “O trabalho de Henrique para trazer essa adutora tem sido fundamental. Trata-se do problema mais grave de Currais Novos atualmente”, apontou.

O senador José Agripino comentou o apoio ressaltando as qualidades do candidato do PMDB. “A opção do DEM de Currais Novos foi tomada por entender que Henrique Eduardo é o melhor para promover o desenvolvimento da cidade e do Estado, pela sua capacidade de articulação nacional e estadual, pela sua capacidade de administrar divergências e de somar valores em favor do interesse coletivo”, afirmou. 

Reafirmando a responsabilidade de mais um apoio importante, Henrique destacou que o entendimento vai fortalecer o projeto de união pelo Rio Grande do Norte. “É com muita honra que recebo o apoio de muita qualidade de Geraldo Gomes e todo o seu grupo, sob liderança do senador José Agripino e do deputado Felipe Maia, coligado conosco. A luta agora é fortalecer nosso projeto para unir o Rio Grande do Norte pelo seu desenvolvimento. Essa decisão revela maturidade e muita responsabilidade política que todos nós do PMDB reconhecemos e agradecemos”.

Assessoria do candidato

pleito presidencial: o gasto estimado com a campanha será próximo de R$ 1 bilhão

Heitor Scalambrini Costa *
Encerrado o prazo legal (em 5 de julho) para o registro das candidaturas ao pleito presidencial de 2014, 11 candidatos se registraram junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). De acordo com os dados apresentados pelos partidos políticos, o gasto estimado com a campanha será próximo de R$ 1 bilhão. Com nove concorrentes, a campanha presidencial de 2010 totalizou despesa de R$ 289,20 milhões (em valores da época).
Sabemos nós, moradores da ilha da fantasia chamada Brasil, que os valores oficiais apresentados estão longe de representarem o que realmente se gasta em uma campanha eleitoral. Nada se fala dos valores paralelos, o “caixa dois” ou outro nome que se queira dar. Portanto, sem medo de errar, podemos multiplicar por três os gastos oficiais sugeridos para 2014. O que elevaria os gastos na campanha à Presidência da Republica deste ano para mais de R$ 3 bilhões. Numero impressionante por si só, mas quando se agregam os gastos das candidaturas a governador, deputados federais e estaduais pelo país afora, verifica-se uma deformação, pois as grandes somas em dinheiro envolvidas acabam anulando a vontade popular. Desta forma, o voto não representa mais o cidadão. É o poder econômico que elege para atender aos seus interesses mesquinhos.
O financiamento das campanhas no Brasil, ou seja, o modo como os partidos políticos custeiam suas campanhas eleitorais, segundo a legislação vigente, pode vir de recursos públicos e privados. Oficialmente, a forma de arrecadação e de aplicação dos recursos é submetida a um complexo conjunto de regras que deveriam controlar, enquadrar e multar o candidato, sempre que houvesse abusos contra as regras eleitorais. Mas não servem para muita coisa. Regras podem ser boas quando cumpridas, no entanto, na ilha da fantasia, é tudo “faz de conta”. A fiscalização praticamente não existe. E quem deveria fazê-la “olha para o outro lado”. Uma vergonha.
Quanto à origem, os recursos destinados às campanhas eleitorais podem ser próprios dos candidatos, doações de pessoas físicas, doações de pessoas jurídicas, doações de outros candidatos, de comitês financeiros ou partidos políticos, receitas decorrentes da comercialização de bens e serviços ou da promoção de eventos, bem como da aplicação financeira dos recursos de campanha.
O projeto Às Claras, atuando desde 2002, mostra que as eleições no país são “compradas” pelos grandes grupos econômicos, que se constituem na fonte mais importante de financiamento das campanhas. As empreiteiras dominam as doações. Para elas, é um investimento com retorno certo. Segundo o Instituto Kellog para cada real doado a candidatos, as empresas obtêm R$ 8,50 em contratos públicos.
Os maiores financiadores de campanhas, não por acaso, são justamente aqueles com interesse em licitações de serviços públicos. As mais conhecidas no Brasil, por sua atuação no setor de construção civil, as chamadas “quatro irmãs” – Odebrecht, OAS, Camargo Corrêa e Andrade Gutierrez – são as maiores financiadoras das eleições. Alguma dúvida sobre o porquê de essas empresas e suas terceirizadas dominarem o cenário das obras publicas?
A farsa da democracia é construída desde a legislação eleitoral, que determina as regras do jogo, indo até o empresariado que financia as grandes campanhas eleitorais. Daí a necessária reforma política. Não se pode admitir que nosso país tenha “donos”. Obviamente uma reforma substantiva não ocorrerá com este Congresso Nacional. E talvez com nenhum outro, enquanto não alterarmos sua atual genética, moralmente corrompida.
Para quem ainda não desistiu, a participação é a pedra de toque para as mudanças que a maioria deseja para o país. Se discutirmos sobre as próximas eleições tanto quanto se discutiu sobre o acidente que tirou Neymar da seleção brasileira, com certeza estaremos no caminho para construir um país melhor para a maioria do seu povo.
* Professor da Universidade Federal de Pernambuco e coordenador-geral do Fórum Suape Espaço Socioambiental.

eleições 2014: agenda do desenvolvimento do rn

Vote em CIÇO - o candidato:

sebrae-rn: Aumento na produção marca aniversário da Feira Agroecológica de Mossoró

Sandra Monteiro
Mossoró - O cultivo de produtos orgânicos feito por agricultores familiares de Mossoró cresce a cada ano. Motivado pela elevação na demanda de consumidores, a Feira Agroecológica de Mossoró, que comemora sete anos de atuação no sábado (19), um crescimento médio entre 20% e 30%, da produção anual. Para ampliar ainda mais estes números o projeto de Produção Agroecológica Integrada e Sustentável (PAIS), desenvolvido pelo Sebrae no Rio Grande do Norte fará, nos próximos meses, a inserção de 30 novos pequenos produtores do município no programa PAIS. A programação de aniversário da feira acontece às 7h, ao lado do Museu Municipal Lauro da Escóssia.
“Estamos muito felizes com a dimensão que a Feira Agroecológica de Mossoró ganhou. Temos muito a comemorar neste sábado, quando a feira completa sete anos, crescendo e ofertando produtos de qualidade aos consumidores”, ressalta Honorina Eugênia, gestora estadual do projeto PAIS.
Com o aumento no número de beneficiados de 17 para 47 o projeto pretende atender à crescente demanda de consumidores e, ao mesmo tempo melhorar a renda dos grupos instalados na zona rural de Mossoró. O PAIS conta com a parceria da prefeitura local e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).
O projeto de ampliação está na fase de inserção dos produtores na Associação dos Produtores da Feira Agroecológica de Mossoró (Aprofam). A participação na feira acontecerá logo que comecem a produzir.
“A procura por orgânicos cresceu muito e a ampliação do projeto no município vai beneficiar estes consumidores. Além disso, melhora as condições de vida dos produtores”, complementa.
Por meio do PAIS, os agricultores familiares cultivam frutas, hortaliças, e desenvolvem também a criação de galináceos. Os produtos, cultivados sem o uso de defensivos agrícolas, são comercializados na Feira Agroecológica, que funciona todos os sábados, das 6h às 9h da manhã. Além de garantir mais benefícios à saúde e qualidade de vida aos consumidores, os orgânicos ajudam a minimizar os danos ao meio ambiente. Entre os produtos a serem cultivados pelos agricultores familiares de Mossoró estão hortaliças diversas, mel, ovos de galinha caipira, frutas e doces.
Leia mais: Agência Sebrae de Notícias

Caicó: MPF denuncia queima em lixão e Justiça determina solução do problema

O Ministério Público Federal (MPF) em Caicó acionou a Justiça diante do desrespeito da prefeitura local ao Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que previa a redução dos impactos ambientais provocados pelo “Lixão de Caicó”. O MPF constatou que os resíduos despejados no local continuam sendo queimados, gerando grande volume de fumaça que atinge uma cidade vizinha, São Fernando. O judiciário determinou 72 horas para o Município sanar a irregularidade.

O procurador da República Bruno Lamenha visitou o local na última quinta-feira (17) e confirmou as informações que havia recebido – através de imagens, denúncias e notícias – de que vem sendo realizada a queima de lixo a céu aberto no lixão, localizado na confluência dos rios Sabugi e Seridó, próximo à divisa com São Fernando. A irregularidade representa um risco à saúde dos moradores da cidade vizinha, cuja sede se encontra a apenas 18km de distância da zona urbana de Caicó.

A “fumaça tóxica” gerada da queima vem cobrindo boa parte do território de São Fernando. “Foi possível constatar, na observação in loco, que, de fato, o fogo tem sido utilizado largamente na área para a queima, a céu aberto, de resíduos sólidos, de maneira que o volume de fumaça identificado na área e a proximidade geográfica com o município de São Fernando dão suporte fático, à primeira vista, à notícia (de que a queima pode estar prejudicando as condições ambientais da cidade vizinha)”, aponta o representante do MPF.

Na visita ao local, o procurador observou um grande volume de material já queimado, além de labaredas visíveis a olho nu, concluindo que a queima têm sido utilizada de forma reiterada, “ou seja, há uma intencionalidade por trás do ilícito, não sendo razoável supor que se trata de focos isolados de incêndio”.

Decisão - O juiz da 9ª Vara Federal, Halisson Rêgo Bezerra, determinou que a Prefeitura de Caicó seja intimada a cessar com a irregularidade, no prazo de 72 horas. Ele aumentou a multa diária por descumprimento de R$ 200 para R$ 1 mil. Determinou ainda a aplicação de multa extra de R$ 1 mil a cada novo evento de queima de resíduos sólidos na área do “Lixão de Caicó”. O Município deverá comprovar a adoção de medidas juntando fotos ou vídeos que demonstrem a solução do problema.

O TAC assinado em 2 de setembro de 2009 obrigava a Prefeitura de Caicó a minimizar os impactos ambientais provocados pelo despejo de resíduos a céu aberto e, em um acordo firmado em novembro de 2012, o Município se comprometeu a “de imediato, eliminar focos de queimadas de lixo e fontes de geração de fumaça através, inclusive, do reforço da vigilância e da proibição de acesso daqueles catadores que forem flagrados gerando focos de fumaça”.

Outros TACs e acordos de teor semelhante foram assinados com diversas prefeituras da região do Seridó e a adoção das ações previstas vem sendo acompanhada pelo Ministério Público Federal.  
Assessoria de Comunicação - Procuradoria da República no RN

cbf e flamengo: decisões absurdas e resultados desastrosos

O Flamengo, em 2013, venceu a Copa do Brasil com um time fraco, mas com um jogador que arrumou o meio campo, Elias. Classificando-se para a Copa Libertadores acumulou um fracasso após o outro.

Depois venceu o campeonato Carioca de 2014 e, mais uma vez, mascarou o péssimo time que tinha (e tem). Ao invés de se reforçar com jogadores mais capazes a direção do clube resolveu mudar o técnico (saiu Jaime e contrataram Nei Franco) e contratou alguns perebas como o Elano.

Os diretores do clube acreditaram que o time era bom e que faltaria, apenas, um treinador com pulso e maior poder de comando. Ledo engano.

A direção da CBF parece ter uma visão idêntica a da direção do Flamengo e vem ampliando as besteiras no currículo. 

A seleção comanda por Mano Menezes acumulou resultados sofríveis e alguém achou que faltaria apenas um treinador com pulso e maior poder de comando, então contrataram a dupla Scolari/Parreira. Ledo engano.

Mais um desastre na Copa do Mundo e os cartolas da CBF continuam achando que a maior deficiência da seleção brasileira é a falta de pulso do treinador. Solução: contrataram Dunga.
Dunga: um choque de testosterona bronca na Seleção. Dará erro mesmo que dê certo!

A atual diretoria do Flamengo parece querer entrar para a história e levar o rubro negro a segunda divisão. Caminha a passos largos e firmes para conseguir.

A atual diretoria da CBF já tem o seu "grande fracasso" para chamar de seu: a maior goleada sofrida em 100 anos de história - o "famoso" 7 x 1.

Os erros de diagnóstico levam ao mau planejamento e os resultados desastrosos se tornam a consequência natural.