'MERCADÃO' DO VOTO

As campanhas municipais RN adentro não serão decididas por convicções dos eleitores, por decisões livres e soberanas, por ideologia, por amor partidário...

Infelizmente, eleição após eleição, o que decide mesmo é o abuso do poder econômico. As eleições por estas bandas têm sido compradas faz é tempo. Dinheiro em espécie que circula de mão em mão (“lideranças políticas”) como capim.

Tem voto à venda e não são poucos. A quantidade é tanta que decide muitas eleições. Ao menos tem decidido aquelas em que as diferenças não são muito significativas entre os postulantes aos cargos.

É uma máquina de triturar a democracia que viceja e prolifera na calada da noite. Milhões e milhões que são ‘mobilizados’ a partir de falcatruas com o dinheiro público e que alimentam o caixa informal das campanhas.

Voto por aqui é mercadoria. E como toda mercadoria, tem-se obrigatoriamente uma operação de troca mediada pelo dinheiro. E não é de pouco dinheiro que estamos tratando.

No "mercadão do voto' os candidatos mais ‘atraentes’ são aqueles que têm uma verdadeira rede de intermediadores de dinheiro, disponibilizando e alimentando as ávidas pseudo-lideranças e aos eleitores que encaram as campanhas como instrumentos para auferirem benefícios pessoas circunstanciais.

É um acinte!

É mais que isso: é um estupro a democracia, mas sobejamente ignorado por aqueles que deveriam servir de exemplo para a sociedade, bem como, pela leniência das autoridades.

TRISTE SINA DESTE TORRÃO...



Leia:

VENDEM-SE VOTOS... E O FUTURO

IBGE relança a Revista Brasileira de Geografia

Dentro das comemorações de seus 80 anos, o IBGE relançou ontem, 26 de julho de 2016, a Revista Brasileira de Geografia (RBG), importante publicação científica editada entre 1939 e 2006. 
Agora em meio eletrônico, a RBG retoma suas atividades em seu 61º volume, com um número que traz textos de diversos pesquisadores renomados. Além disso, um índice cumulativo do acervo histórico da RBG (60 volumes e 238 números, entre 1939 e 2006) está disponível, como número especial. 
Após um hiato de dez anos, a Revista Brasileira de Geografia publica um novo número.
O número lançado tem duas seções - Artigos de Pesquisa (cinco artigos) e Ensaios, Comentários e Resenhas (dois ensaios) - e traz a colaboração de pesquisadores especialmente convidados, que atuam no IBGE e em outras instituições.

PC do B: Os 'camaradas' que aqui gorjeiam, não gorjeiam como lá...

Quem assiste a combativa senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ), além de outros 'camaradas', defendendo a volta de Dilma, denunciando o 'golpe' e batendo de frente com os integrantes dos partidos que se juntaram para arrancar Dilma da presidência não acreditaria que alguns dos 'camaradas potiguares' fazem exatamente o oposto do que pregam os medalhões nacionais do partido.

Pincei alguns trechos da página oficial do partido:

"O PCdoB guia-se pela teoria científica de Marx, Engels e Lênin, e desenvolvida por outros revolucionários. Procura aplicá-la criativamente à realidade do Brasil e desenvolvê-la sem cessar."
"O PCdoB orienta-se por uma teoria: o marxismo-leninismo. Uma teoria construída por Marx e Engels e desenvolvida por Lênin e que o Partido busca desenvolver e aplicar, de maneira original, na realidade brasileira. Desde o século XIX esta teoria tem sido um instrumento indispensável à elaboração do projeto de emancipação dos trabalhadores e dos povos de todo o mundo. 
Como toda organização política o PCdoB se rege por um Estatuto e um Programa, que todo militante deve conhecer e respeitar."
"Após a decisão tomada, a minoria se submete à maioria. As instâncias inferiores se submetem às instâncias superiores. A principal instância decisória do PCdoB é o Congresso Nacional do qual participam delegados democraticamente eleitos em todo o país. Definida a política, todos se responsabilizam pela sua aplicação e lutam pelo seu sucesso."
"Portanto, o PCdoB mantém-se sempre unido e com uma só orientação política."

Xiiiiiiiiiiiii!

Por estas bandas os 'camaradas' participam do governo estadual, com indicações de inúmeros cargos. Nunca é demais lembrar que o governador é do PSD, partido que apoiou Dilma até a penúltima hora e depois pulou nos braços de Temer e o filho do governador votou pelo prosseguimento do processo de impeachment.

Assim, o 'camarada' vice participa e apoia o governante de um partido que foi favorável ao 'golpe'.

Mas, a 'parceria' talvez nem seja o mais impressionante, pois os 'camaradas potiguares' apoiam candidatos de A a Z nos diversos municípios.

Xiiiiiiiiiii!

A página do partido informa que todo filiado deve estudar e conhecer as diretrizes gerais estabelecidas... Imaginem?

NOSSAS EXCELÊNCIAS: Felipe Maia (DEM-RN) e deputado tucano do DF serão investigados por suspeitas de nepotismo cruzado

Deve ser 'apenas' mais um caso de 'excesso de zelo' com o dinheiro públicos... Acham que só eles sabem cuidar direitinho do erário...

Leia:

O Ministério Público do Distrito Federal abriu investigação no fim da tarde desta terça-feira (27) para apurar se o deputado distrital Robério Negreiros (PSDB) e o deputado federal Felipe Maia (DEM-RN) cometeram nepotismo cruzado ao trabalhar com parentes ligados um ao outro. A cunhada de Negreiros está lotada no gabinete de Maia, e a do deputado do Rio Grande do Norte dá expediente no gabinete da liderança do PSDB. Negreiros é o único deputado do partido na Câmara do DF.

O MP deu dez dias para que os presidentes da Câmara dos Deputados e da Câmara Legislativa forneçam explicações sobre a situação funcional das duas servidoras. A investigação será conduzida pela 5ª Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público (Prodep). Por envolver um deputado federal, o inquérito será em conjunto com o Ministério Público Federal.

HENRIQUE ALVES VIROU RÉU EM AÇÃO por improbidade administrativa

A Justiça Federal de Brasília aceitou denúncia contra o ex-ministro do Turismo Henrique Eduardo Alves por improbidade administrativa. 
A denúncia foi apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) há doze anos com base em indícios de enriquecimento ilícito entre 1998 e 2002, período em que era deputado federal pelo PMDB. 
O processo havia sido interrompido depois que Alves apresentou um recurso apontando a prescrição dos fatos e questionando a legitimidade das provas apresentadas pelo MPF. Agora, o juiz Marcelo Rebello Pinheiro, da 16ª Vara Federal, decidiu dar continuidade ao caso.
Em 2004, quando foi proposta, a ação do MPF argumentou que o patrimônio declarado por Alves não era compatível com a renda do então parlamentar e apontou: transferência patrimonial dissimulada; despesas e gastos em montante superior à receita declarada; e titularidade dissimulada de sociedades comerciais, contas-correntes, investimentos, movimentação financeira e cartões de crédito em instituições financeiras com sede na Suíça, nos Estados Unidos e em paraísos fiscais, bem como por meio de empresa off-shore  sem que fossem identificadas as saídas de divisas do país. 
Também foi ressaltado o fato de a ex-esposa de Alves Mônica Azambuja ter as despesas pagas pelo ex-marido e recebido a quantia de 1,5 milhão de reais entre 2002 e 2003 como indenização em divórcio – valor superior a quatro vezes sua receita anual, segundo o MPF.
Em relação à prescrição dos fatos, o magistrado explicou em sua decisão, tomada em 6 de julho e divulgada nesta quarta-feira, que, de acordo com a lei, o prazo para ação de improbidade administrativa começa a correr após o término do último mandato do parlamentar. 
Como Alves foi deputado federal por onze mandatos consecutivos (1971-2014), a prescrição só teria começado a contar há dois anos. 
Ao explicar por que aceitou o pedido do MPF para que fosse levantado o sigilo do caso, o magistrado afirmou que o processo “exige a publicidade justamente para que se possa dar o direito ao povo de conhecer a fundo as atitudes de seus representantes políticos”.
Em junho deste ano, Henrique Eduardo Alves pediu demissão do cargo de ministro do Turismo após ser citado pelo ex-presidente da Transpetro e delator da Lava Jato Sérgio Machado.
VEJA

PORTALEGRE: Perfil do eleitorado em 2016

Em relação a faixa etária 40,1% têm entre 21 e 39 anos. 52% são mulheres. 68,45% têm, no máximo, o ensino fundamental incompleto e, entre estes, 750 eleitores são analfabetos.

Feminino: 52%
Masculino: 48%


Quantitativo Eleitorado


6.394
Eleitorado

117
Com Biometria
6.277
Sem Biometria

Número de eleitores em 2012: 6.227
Crescimento: + 167 em 2016

 

Grau de Instrução

Nº de eleitores
% do eleitorado

Superior completo

102
1.60
Superior incompleto
64
1,00
Ensino médio completo
525
8,21
Ensino médio incompleto
1.123
17,56
Ensino fundamental completo
203
3,17
Ensino fundamental incompleto
2.366
37
Lê e escreve
1.261
19,72
Analfabeto
750
11,73

Faixa etária
Nº de eleitores
% do eleitorado
Superior a 79 anos
270
4,22
75 a 79 anos
206
3,22
70 a 74 anos
204
3,19
65 a 69 anos
256
4,00
60 a 64 anos
402
6.29
55 a 59 anos
443
6.93
50 a 54 anos
505
7,90
45 a 49 anos
507
7,93
40 a 44 anos
498
7,79
35 a 39 anos
592
9,26
30 a 34 anos
692
10,82
25 a 29 anos
706
11,04
21 a 24 anos
574
8,98
20 anos
125
1,95
19 anos
130
2,03
18 anos
89
1,39
17 anos
106
1,66
16 anos
88
1,38
Inválida
01
0,02

 





























Governo é contra demissões (correto), mas quer urgência no projeto que trata dos recursos do IPERN (errado).

Existem coisas que são muito óbvias. A matéria a seguir 'informa' que o governador potiguar é 'contra demissão de servidores concursados' para equilibrar as finanças públicas.
Creio que 99% dos políticos diriam a mesma coisa, mas o fato é que a legislação em vigor já dispõe sobre tal circunstância. É difícil, mas pode ocorrer.
Entretanto, prefiro as entrelinhas e o que não foi dito. O governo potiguar quer mesmo é o aval dos deputados para aprovar o Projeto de Lei que trata dos recursos do IPERN. 
O trololó serve como uma espécie de cortina de fumaça. A 'mão que balança o berço' quer encontrar outro caminho para 'não penalizar' o servidor e o único caminho é o 'rico dinheirinho' do IPERN. Assim, trocar-se-ia o 'não penalizar' agora para ver como ficará depois...

Comida do futuro: Substância análoga ao "leite de barata"



Uma equipe internacional de pesquisadores descobriu que um tipo de barata pode ser uma incrível fonte de nutrientes no futuro: a Diploptera punctata, espécie de barata, é capaz de produzir uma substância riquíssima em proteínas. 

De acordo com pesquisa publicada em junho na revista especializada International Union of Crystallography, o conteúdo calórico dos “cristais” com os quais esse animal alimenta seus filhotes é três vezes maior que o de leite de búfala, hoje considerado o alimento com as proteínas mais nutritivas.

Segundo os pesquisadores, a maioria dos insetos que recebe o nome de baratas põe ovos e, portanto, não sustenta seus filhotes com um alimento especial. Mas a Diploptera punctata tem um modo diferente de gerar sua prole, em um processo semelhante ao humano. 

Para alimentar as crias, ela produz um cristal proteico, como se fosse um “leite”, no meio de seu intestino. O fato de um inseto ser capaz de produzir esse nutriente impressionou os pesquisadores, mas a informação mais preciosa obtida pelas análises foi de que apenas um desses cristais proteicos é capaz de fornecer quatro vezes mais energia que o leite de vaca.

Eleições no RN: A "colheita de consciências"

A colheita de consciências que ocorre em todas as eleições no RN é facilitada por algumas circunstâncias:

- a fraqueza de nossas instituições;
- o patrimonialismo;
- o clientelismo;
- a cultura arraigada da compra/venda de votos;
- a quase inexistência de espírito público, civismo e ética dos que se apresentam como candidatos;

E a 'cereja do bolo' foi resumida no levantamento realizado pelo TSE que demonstra um quadro desalentador: cerca de 50% do eleitorado com pouca ou nenhuma instrução.





















De um lado a 'consciência cauterizada' dos políticos que consideram legítimo fazer o diabo para ganhar as eleições, do outro, um contingente enorme de pessoas com dificuldade de entender quem, de fato, paga a conta da venda de votos.

Colheita garantida!

Leia:

Metade dos eleitores do Rio Grande do Norte não tem o ensino fundamental completo. É o que apontam os dados divulgados nesta segunda-feira (25) pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 

De acordo com o levantamento, 49,56% do eleitorado no estado é formada por pessoas pessoas analfabetas, que sabem ler e escrever ou com ensino fundamental incompleto. 

O levantamento completo pode ser visualizado no site do TSE (CLIQUE AQUI).

Segundo os dados apresentados pelo TSE, quando observada a escolaridade, a maior parcela do eleitorado tem o ensino fundamental incompleto, 28,17%. Além disso, 14,02% sabem ler e escrever, enquanto 7,35% são analfabetos. 0,02 não informaram o grau de escolaridade.
Enquanto isso, dentre os outros cerca de 50% dos eleitores, 19,96% tem o ensino médio completo e 17,19% tem o ensino médio incompleto. Apenas 7,63% do eleitorado tem o ensino superior completo.
Ao todo, 2.401.871 eleitores estão aptos a votar nas eleições municipais de 2016, segundo o TSE. 1.754.127 votarão usando o sistema de biometria, enquanto 647.744 ainda votarão no sistema tradicional. Dos 167 municípios potiguares, 68 usarão o sistema biométrico, 60 com sistema híbrido e 39 não usarão a biometria.
Crescimento no número de eleitores
O levantamento do TSE também revelou um crescimento no número de eleitores no estado. Enquanto 2.327.451 pessoas votaram nas eleições presidenciais em 2014, 2.401.871 eleitores votarão em 2016. Do total, 52% dos eleitores são mulheres.

G1RN