Claude Raffestin: POR UMA GEOGRAFIA DO PODER

Cada organização procura reforçar sua posição obtendo trunfos suplementares, de tal modo que possa pesar mais que outras na competição: "o poder (político) aparece, em consequência, como um produto da competição e como um meio de contê-la". Obter trunfos suplementares não significa, de modo algum, "possuí-los" ou "dominá-los". Simplesmente pode se tratar de exercer um controle que permita prever, ter acesso, neutralizar etc. Eis todo o problema das posições relativas vis-à-vis desses trunfos, ou seja, a possibilidade de integrá-los nesta ou naquela estratégia.


LEIA TAMBÉM:

Os donos do poder - Formação do patronato político brasileiro

0 Response to "Claude Raffestin: POR UMA GEOGRAFIA DO PODER"

Postar um comentário