a nota do governo foi um "sincericídio"? ou é só mesmice?

A assertiva de que qualquer aumento de despesa (acredito que na folha) implicará "em responsabilização do Governador Robinson Faria por improbidade administrativa" já impõe a responsabilização imediata do governador por improbidade administrativa caso tenha autorizado aumento de despesas?

Leiam a Nota sobre a greve na UERN e a publicação de 27-05-2015 na página do governo: 
"O Poder Executivo Estadual tem como expectativa a promoção de pelo menos 1.870 praças da Polícia Militar do RN e do Corpo de Bombeiros Militar do RN, neste ano. Somente em maio, o Governo do Estado já havia promoveu 1.220 militares. Para o mês de agosto está prevista ainda a promoção de 465 militares e em dezembro de mais 173." (AQUI)


A promoção dos policiais militares não é objeto de discussão. São direitos e os policiais merecem o reconhecimento por parte do governo. 

O fato é que a promoção (repita-se: justa) dos policiais necessariamente implicará na ampliação das despesas, logo, considerando a orientação da Consultoria Geral do Estado e o que está registrado na Nota sobre a greve na UERN é só questão de tempo para o Ministério Público ajuizar ação contra o governador.

Creio que a condenação é "inevitável" (acreditam?) e o governador será o primeiro potiguar (imaginem que surpresa: logo o governador...) a ser responsabilizado por tal situação.

Desconheço outro caso no RN, mas quem vai duvidar quando é a própria Consultoria do Estado quem afirma isso?

Governador não enverede pelo caminho da mesmice dos governantes que lhe antecederam. Vossa Excelência tem a oportunidade de construir uma trajetória diferenciada, com respaldo dos segmentos sociais organizados e voltado para as camadas menos favorecidas.

Caso o governo deixe de executar os 3,6 bilhões contingenciados do orçamento intensificará ainda mais a crise econômica.

0 Response to "a nota do governo foi um "sincericídio"? ou é só mesmice?"

Postar um comentário