Transferências de Renda e Empregos Públicos na Economia sem Produção do Semiárido Nordestino

Leonardo Alves de Araújo, João Policarpo R. Lima


Resumo



Este artigo procura mensurar qual seria o tamanho das transferências de renda diretas para a região do semiárido nordestino, a chamada economia sem produção. O capítulo 5 do livro Velhas secas em novos sertões, de Gustavo Maia Gomes (2001), é a referência para esta obra, em que se atualizou os dados encontrados por Gomes em 1997. Naquele trabalho, definia-se a economia sem produção como formada pelos salários dos aposentados e funcionários públicos. Posteriormente, foi criado o Programa Bolsa Família (PBF), tendo o valor dos benefícios pagos às famílias sido incluído neste trabalho como mais um agente constitutivo da economia sem produção. Estas três fontes representam a maior fonte de renda do semiárido, muito superiores ao tradicional setor agropecuário da região. Chegamos, assim, ao mesmo resultado encontrado por Gomes em seu livro. Entretanto, constatamos que houve considerável crescimento das transferências em relação a outros indicadores como a massa salarial total, transferência por habitante, emprego público em relação ao emprego formal total, entre outros indicadores econômicos e sociais, no período 1997-2005. Corrigindo pela inflação os valores encontrados para os aposentados e funcionários públicos para 2007, e somando-os ao valor dos benefícios do PBF, observa-se que a economia sem produção

Texto Completo: PDF

0 Response to "Transferências de Renda e Empregos Públicos na Economia sem Produção do Semiárido Nordestino"

Postar um comentário